12.7.04


Pergunta 2: O que fazer quando o ex te perturba?

"Em tempo algum teve um tranqüilo curso o verdadeiro amor".
(Shakespeare, “Sonhos de uma noite de Verão”)


Você começa a namorar, está dando tudo certo, desta vez é pra valer. Mas aí, depois de um certo tempo (que varia para cada casal) pode surgir uma sombra pairando no ar: é o fantasma. Da (o) ex. O que fazer?

Sim, é fato: todo mundo tem ciúme, em maior ou menor medida. Mas o “monstro de olhos verdes” que atormentou Otelo não pode ser superior ao sentimento que une o casal. Então, o que fazer quando, digamos, a ex-namorada do seu amor começa a dar problema?

Começa com um telefonema desavisado no domingo à noite. Depois você descobre que os dois ainda mantêm a “amizade”. E é aí que nascem os conflitos.

O melhor a fazer, o que manda o bom senso, é, simplesmente, ignorar. E deixar bem claro para seu amor que, agora, é você quem está com ele. É lindo ser superior.

Mas a ex-namorada pode, sim, forçar a barra. Por ciúme, orgulho ferido, despeito ou, simplesmente, porque o amor, da parte dela (pelo menos) não acabou.

Ela pode ofender, pode tentar controlar a vida do seu namorado, pode fazer o diabo. Ainda assim, vale a regra: melhor ignorar. Os conselhos da vovó eram sábios: “o desprezo mata a pessoa, minha filha”. E é verdade!

Por isso, nada de vexames, lágrimas, grosserias em público. Seja superior. Se a tal ex enlouquecida ainda resolver dar trabalho, deixe claro para seu amor que não quer participar disso. Ela continua, mesmo assim? Ameaçou bater em você? Tentou cortar os pulsos? Liga compulsivamente para seu namorado? Chame a polícia. Certos casos só se resolvem mesmo na delegacia. Ou no hospital.

Agora, se essa história se arrastar por longos meses, ou, pior ainda, por anos a fio, sinto muito. Troque de namorado. Se ele não foi capaz de dar um basta nessa situação durante todo esse tempo, não cabe a você morrer por causa disso. Porque o amor, antes de tudo, tem de ser leve, e muito bem vivido. O resto é balela.